Vozes Mulheres: conheça o poema lido por Anielle Franco em posse do Ministério da Igualdade Racial

0
47
Novo ministra declamou poema da autora Conceição Evaristo, que expõe a condição das mulheres negras através de gerações. Anielle Franco lê poema de Conceição Evaristo em posse no Ministério da Igualdade Racial
A ministra da Igualdade Racial Anielle Franco tomou posse nesta quarta-feira (11), em uma cerimônia histórica no Palácio do Planalto, junto com Sônia Guajajara, a primeira ministra dos Povos Indígenas.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Em seu discurso de posse, a ministra homenageou a irmã Marielle Franco, vereadora assassinada em março de 2018 no Rio de Janeiro, e elencou ações voltadas ao combate à desigualdade racial e ao fortalecimento das mulheres negras. A ministra declamou o poema Vozes-Mulheres, da autora Conceição Evaristo. Assista no vídeo acima.
Maria da Conceição Evaristo de Brito é autora de obras como Olhos d’Água, Ponciá Vicêncio, Becos da Memória e Insubmissas Lágrimas de Mulheres. Comprometida com a condição da mulher negra, a escritora cunhou o termo “escrevivência” para definir seu estilo literário
E mais: veja perfil de Anielle Franco
Veja quem são os bolsonaristas radicais presos após invasão da Praça dos Três Poderes
O poema Vozes-Mulheres, de Conceição Evaristo, expõe a condição das mulheres negras brasileiras através de gerações. Veja a íntegra abaixo.
A voz de minha bisavó
ecoou criança
nos porões do navio.
Ecoou lamentos
de uma infância perdida.
A voz de minha avó
ecoou obediência
aos brancos-donos de tudo.
A voz de minha mãe
ecoou baixinho revolta
no fundo das cozinhas alheias
debaixo das trouxas
roupagens sujas dos brancos
pelo caminho empoeirado
rumo à favela
A minha voz ainda
ecoa versos perplexos
com rimas de sangue
E fome.
A voz de minha filha
recolhe todas as nossas vozes
recolhe em si
as vozes mudas caladas
engasgadas nas gargantas.
A voz de minha filha
recolhe em si
a fala e o ato.
O ontem – o hoje – o agora.
Na voz de minha filha
se fará ouvir a ressonância
O eco da vida-liberdade.

Fonte: G1 Entretenimento