União Europeia afirma que está preparada para guerra longa na Ucrânia e vai buscar mais sanções contra Rússia

0
50

Autoridades disseram que as novas sanções podem incluir mais congelamentos de ativos e proibições de viagens de indivíduos russos envolvidos na guerra, além de mais restrições sobre as vendas de produtos da União Europeia que possam ser utilizados para fins militares à Rússia. Um soldado ucraniano passa por casas destruídas pelo bombardeio russo em Bakhmut, região de Donetsk, Ucrânia, quinta-feira, 10 de novembro de 2022
AP Photo/LIBKOS
A União Europeia está preparada para uma longa guerra na Ucrânia e apoiará Kiev contra a agressão russa pelo tempo que for necessário, disse nesta quarta-feira (11) o ministro das Relações Exteriores da Suécia, Tobias Billstrom. A Suécia ocupa a presidência rotativa da União Europeia.
“Apesar das contínuas tentativas da Rússia de nos dividir, a unidade dentro da União Europeia por todo o Atlântico tem sido forte. A União Europeia está preparada para uma longa guerra e continuará ao lado da Ucrânia com apoio político, econômico, militar e humanitário enquanto for preciso”, disse Billstrom em entrevista coletiva.
Soledar, cidade com 160 km de túneis, é palco de intensas batalhas na Ucrânia
Ele disse que a União Europeia continuará trabalhando em mais sanções contra Moscou devido à invasão da Ucrânia, depois de nove pacotes de medidas aprovados pelo bloco de 27 países desde o início da invasão em fevereiro de 2022.
“As sanções são a melhor ferramenta da União Europeia para ajudar a Ucrânia a vencer essa guerra, que é o objetivo final do que estamos fazendo”, disse Billstrom.
Autoridades disseram que as novas sanções podem incluir mais congelamentos de ativos e proibições de viagens de indivíduos russos envolvidos na guerra, além de mais restrições sobre as vendas de produtos da União Europeia que possam ser utilizados para fins militares à Rússia.
“A União Europeia está pronta para continuar reforçando as sanções, para garantir uma implementação eficaz e coerente das sanções e também para evitar que elas sejam contornadas pela Rússia”, disse Billstrom.

Fonte: G1 Mundo