Tocantinenses podem fazer denúncias relacionadas aos ataques terroristas em Brasília pela internet; saiba como

0
39

Conforme a CGE, o campo no site Fala.BR já está funcionando. Denúncias podem ser feitas de forma identificada ou anônima. Controladoria-Geral do Estado
Aldemar Ribeiro/Governo do TO
Os participantes dos ataques terroristas a Brasília (DF) e outros crimes relacionados aos atos do dia 8 de janeiro poderão ser denunciados através de um campo criado no site Fala.BR -Tocantins. Por meio das informações, a Controladoria-Geral do Estado (CGE) vai apura quem são os envolvidos para que respondam pelos crimes.
Conforme a CGE, o campo já está funcionando e as denúncias podem ser feitas de forma identificada ou anônima. O portal é da Controladoria Geral da União (CGU). Para acessar, clique aqui.
As invasões de bolsonaristas radicais aconteceram nos prédios em que são sediados os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. Milhares de pessoas que não aceitam o resultado das urnas nas eleições de 2022 deixaram um rastro de destruição nos prédios públicos.
Cidadão deve clicar no espaço de denúncia
Reprodução
Veja como denunciar:
Acessar a plataforma Fala.BR-Tocantins;
Escolher o tipo ‘denúncia’ e em seguida selecionar a opção ‘continuar sem me identificar’;
No espaço ‘escolher o órgão para o qual você quer enviar sua manifestação’, marque a opção de Controladoria Geral do Estado do Tocantins;
Depois, em específico na caixa com o nome ‘Sobre qual assunto você quer falar’, escolher ‘Atos terroristas de 8 de janeiro’. Basta clicar e proceder ao preenchimento das informações.
Espaços devem ser preenchidos no site do Fala.BR – Tocantins
Reprodução
Se a pessoa quiser se identificar, a CGE explicou que o cidadão deve entrar no mesmo link, clicar na palavra Cadastrar, no topo à direita, quando aparecerá uma tela para o preenchimento dos dados. Basta seguir as orientações para dar andamento na denúncia.
Além do Fala.BR Tocantins, os tocantinenses podem fazer denúncias através da Ouvidoria-Geral do Estado, pelo WhatsApp (63) 99920-0403; nos telefones (63) 3218-2557/2573 e o 162 (gratuito), ou ainda pelo o e-mail ouvidoria.geral@cge.to.gov.br.
LEIA TAMBÉM:
Controladoria vai apurar possível participação de servidores estaduais no ataque a Brasília
Movimentos sociais fazem ato em defesa da democracia em Palmas
Corregedor-geral diz que policiais civis do TO ‘devem manter a compostura’ e evitar apologia a crimes após ataque a Brasília
Wanderlei Barbosa participa de reunião entre governadores e o presidente Lula após terrorismo em Brasília: ‘Cenário de horror’
Investigação
A Controladoria-Geral do Estado abriu um procedimento para apurar a suposta participação de servidores nos ataques. Conforme portaria nº01/2023, publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (9), foi instaurada uma investigação preliminar para apurar o possível envolvimento dos servidores nos ataques ao Estado Democrático de Direito e suas instituições.
A portaria ainda citou que a notícia da suposta participação de agentes públicos nos atentados, uma vez confirmado, eles poderão responder disciplinar.
Entenda
Bolsonaristas radicais invadiram o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Palácio do Planalto, no domingo (8), após entrar em confronto com a Polícia Militar na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.
Os participantes de atos antidemocráticos estavam com pedaços de paus e pedras e depredaram os prédios dos três poderes da República até batalhões da polícia retomarem a Esplanada e a Praça dos Três Poderes em Brasília.
Durante a tarde o presidente Lula (PT) decretou intervenção federal na segurança do Distrito Federal. A intervenção está prevista para durar até o dia 31 de janeiro.
Lula deu uma coletiva para falar do decreto em Araraquara, no interior de São Paulo, para onde viajou no início da manhã para ver efeitos das intensas chuvas na cidade. O presidente determinou que o ataque terrorista seja apurado para que se chegue a quem financiou e coordenou os ataques.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins