Representante comercial de Palmas está entre os presos por invasão à Praça dos Três poderes

0
45

Adriano Marinho Stefani, de 52 anos, usa uma foto do ex-presidente Bolsonaro (PL) no perfil e postava conteúdos contestando o resultado das eleições presidenciais. Defesa ainda não foi encontrada para comentar. Representante comercial de Palmas está entre os presos por ato golpista em Brasília
Reprodução/Instagram
O representante comercial Adriano Marinho Stefani, de 52 anos, está na lista de pessoas presas pela invasão à Praça dos Três Poderes em Brasília, no domingo (8). Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal, ele foi levado para o Centro de Detenção Provisória II.
O g1 tentou contato com o telefone de Adriano, mas as ligações não foram completadas. Em uma empresa que presta serviços, a proprietária disse não conseguir contato com ele desde segunda-feira (9), mas afirmou desconhecer a prisão. A família e a defesa dele ainda não foram encontradas para comentar a prisão.
Adriano tem registro de microempreendedor individual de um comércio de segurança eletrônica em Palmas. Ele também seria prestador de serviço em uma empresa de energia solar que atua na capital.
LEIA TAMBÉM
Confira nomes de invasores da Praça dos Três Poderes
Veja donos de veículos com apreensão e bloqueio pedidos pelo STF
Terrorismo em Brasília: o dia em que bolsonaristas criminosos depredaram Planalto, Congresso e STF
NATUZA NERY: governo detecta risco de novos atos, e Bolsonaro reassume discurso golpista
Perfil de representante comercial preso em ato golpista em Brasília
Reprodução
Nas redes sociais Adriano usa uma foto do ex-presidente Bolsonaro (PL) no perfil e postava conteúdos contestando o resultado das eleições presidenciais e sobre atos golpistas realizados no país desde novembro do ano passado.
Adriano está entre os beneficiários do auxílio emergencial pago pelo governo federal durante a pandemia. Segundo o portal da transparência do governo federal, ele recebeu 16 parcelas do programa, totalizando R$ 5.250.
No ataque de domingo, golpistas invadiram as sedes do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal (STF) e da Presidência da República, o Palácio do Planalto. Nos locais, eles quebraram vidraças e móveis, vandalizaram obras de arte e objetos históricos, invadiram gabinetes de autoridades, rasgaram documentos e roubaram armas.
Denúncias
Bolsonaristas em atos terroristas em Brasília
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Denúncias sobre pessoas que participaram do ato golpista que invadiu prédio dos três poderes em Brasília podem ser feitos no portal da Controladoria Geral da União. No Tocantins, o estado criou um canal para denúncia da participação de servidores públicos.
A prefeitura de Palmas também vai investigar a participação de servidores nos atos golpistas, sendo que pelo menos duas servidoras foram identificadas nas redes sociais.
Resumo dos ataques
Radical segura bandeira do Brasil durante invasão ao Congresso em Brasília
REUTERS/Adriano Machado
Bolsonaristas terroristas invadiram e depredaram Palácio do Planalto, Congresso e STF. Veja fotos da destruição.
A PM do DF não conteve a ação dos terroristas e foi criticada e acusada de omissão.
Obras de arte e móveis foram quebrados no palácio presidencial. O plenário do STF ficou destruído. Veja FOTOS e VÍDEOS da barbárie.
Lula decretou intervenção federal para assumir a segurança do DF.
O ministro do STF Alexandre de Moraes determinou o afastamento do governador Ibaneis Rocha (MDB) por, pelo menos, 90 dias. Quem assume o cargo é a vice, Celina Leão (PP).
Segundo a Polícia Civil, em dados atualizados, mais de 700 pessoas foram presas após os ataques.
O coronel que chefiava a PM durante ataques em Brasília, Fábio Augusto, foi preso após determinação de Moraes.
Moraes também ordenou a prisão do ex-secretário de Segurança Pública do DF e ex-ministro da Justiça de Bolsonaro, Anderson Torres.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins