Redemoinho gigante se forma em depósito de grãos e chama atenção na web; VÍDEO

0
54

Imagens foram gravadas no terreno de uma empresa em Guaraí, na região centro-norte. Fenômeno ocorre durante o período da seca mais severa e está ligado a muitas superstições. Vídeo mostra redemoinho gigante em depósito de grãos
Está oficialmente aberta a temporada de redemoinhos no Tocantins. O fenômeno ocorre durante o período da seca mais severa e está ligado a muitas superstições. O último caso foi registrado nesta segunda-feira (15) no terreno de um depósito de grãos em Guaraí, na região centro-norte do estado.
As imagens publicadas nas redes sociais mostram uma grande espiral de vento percorrendo uma estrada ao lado de silos-bolsa cheios de grãos. O redemoinho levantou muita poeira, folhas e sacos plásticos, mas logo começou a se desfazer. A empresa não quis se manifestar sobre o assunto.
Nas redes sociais os internautas aproveitaram para se divertir: “Imagino um treco desses depois de uma faxina. Caia dura”, comentou uma pessoa. “E lá vai eu com uma garrafa aberta e uma peneira prender esse bichão”, brincou outra.
Há pouco tempo outro redemoinho chamou a atenção dos moradores no setor Nova Esperança, também em Guaraí. As imagens publicadas em redes sociais mostram a espiral alcançando uma grande altura, mas logo se desfazendo.
Redemoinho gigante se formou em depósito de grãos
Reprodução/Redes sociais
Os redemoinhos são consequência das altas temperaturas e do clima seco que toma conta do Tocantins no período mais seco do ano, geralmente entre os meses julho e outubro. O fenômeno geralmente é inofensivo, apenas levantando poeira e impressionando pelas imagens, mas a recomendação é não se aproximar para evitar problemas.
A quem acredite que as espirais são manifestações sobrenaturais atribuídas ao saci-pererê ou de um diabo, mas existe uma explicação científica.
“O solo ou as camadas mais próximas estão muito mais quentes do que o ar, criando um gradiente de pressão, que faz com que essa parcela de ar próximo ao solo se eleve muito rapidamente. O resultado é o redemoinho, e na medida que ele sobe, essa parcela vai se esfriando e some”, explica o meteorologista da Universidade Estadual do Tocantins, José Luiz Cabral.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins