Polícia Civil conclui investigação e indicia motorista que atropelou e matou bióloga por homicídio e omissão de socorro

0
37

Perla Cruz do Nascimento Venturini, de 40 anos, foi atropelada enquanto fazia caminhada por rua de Porto Nacional. Motorista pagou fiança de R$ 36 mil e responde em liberdade. Bióloga morreu após ser atropelada
Arquivo pessoal
A Polícia Civil concluiu a investigação e indiciou o motorista que atropelou e matou a bióloga e professora Perla Cruz do Nascimento Venturini, de 40 anos. O atropelamento aconteceu em setembro de 2022 em Porto Nacional, na região central do estado.
O homem vai responder por homicídio com dolo eventual – quando a pessoa assume o risco de matar – e omissão de socorro. Se condenado ele pode pegar mais de 20 anos de prisão.
O inquérito sobreo caso foi concluído ainda em dezembro e enviado para o Ministério Público, que é o responsável por apresentar denúncia. O motorista chegou a ser preso, mas pagou fiança de R$ 36 mil e responde em liberdade desde então.
LEIA TAMBÉM
Vídeo mostra momento em que mulher é atropelada por caminhonete em Porto Nacional
Suspeito de atropelar e matar bióloga em Porto Nacional paga fiança de R$ 36 mil e vai responder em liberdade
Amigos e parentes de professora atropelada e morta em Porto Nacional fazem manifestação pedindo justiça
Vídeo mostra momento em que mulher é atropelada em Porto Nacional
Perla Cruz foi atropelada por uma caminhonete enquanto caminhava às margens de uma avenida em frente ao campus Instituto Federal do Tocantins (IFTO).
Um vídeo feito por câmera de segurança mostrou a caminhonete passando pela via, pulando o quebra-molas e atingindo a vítima pelas costas. O suspeito foi preso pela Polícia Militar momentos depois, mas o veículo dele só foi apreendido dois dias depois.
Em outubro do ano passado os parentes e amigos da professora fizeram uma manifestação pedindo justiça.
Durante a investigação a polícia chegou a levantar a hipótese de que o homem estivesse querendo atropelar outra pessoa e acabou atingindo a bióloga por engano. Só que essa hipótese foi descartada.
O g1 questionou ao Ministério Público quando o caso será denunciado, mas não houve resposta até a publicação desta reportagem.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins