Movimentos sociais fazem ato em defesa da democracia em Palmas

0
46

Representantes se juntaram por volta das 18h desta segunda-feira (9) na Praça dos Povos Indígenas para protestar contra os ataques de bolsonaristas às sedes dos Poderes em Brasília (DF). Manifestantes começaram a chegar na Praça dos Povos Indígenas por volta das 18h
Arthur Girão/g1 Tocantins
Para protestar contra os ataques de bolsonaristas às sedes dos Poderes em Brasília (DF), movimentos realizaram ato pacífico em defesa da democracia na Praça dos Povos Indígenas, em Palmas. Os representantes se juntaram por volta das 18h desta segunda-feira (9).
Fizeram parte da manifestação entidades que defendem os direitos principalmente das minorias. Entre elas estão a União Geral dos Trabalhadores, Movimento Sem Terra, União Brasileira dos Estudantes Secundarista (Ubes), União Nacional dos Estudantes (Une), Kizomba Tocantins, Movimento Enegrecer, Partido dos Trabalhadores (PT), Federação Nacional dos Trabalhadores de Judiciário (Fenajud), Movimento Nacional de Luta por Moradia, Casa 8 de Março e outras.
Segundo Maicon Costa, presidente do Diretório Central de Estudantes da Universidade Federal do Tocantins (UFT), entre as pautas defendidas pelos movimentos está, além da garantia do estado democrático de direito, a punição dos envolvidos na invasão ao Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Palácio do Planalto.
Manifestantes em ato na capital
Arthur Girão/g1 Tocantins
“A punição efetiva é uma das pautas, é a principal porque os responsáveis por atentar contra nossa Constituição, contra nossos prédios públicos, é fundamental para nós voltarmos à normalidade, ao nosso estado democrático de direito”, disse Maicon.
Durante as participações, os representantes citaram que os atos de movimentos sociais, principalmente das minorias, não atuam como os que participaram do ataque aos prédios públicos de Brasília no domingo (8).
O lema do encontro é “A democracia vai às ruas para combater o facismo e para combater o terrorismo”. Os participantes também organizaram no chão bandeiras que representam cada um dos grupos.
Segundo os organizadores, cerca de 180 pessoas participaram do ato em defesa da democracia.
Ato com integrantes de movimentos sociais foi pacífico
Arthur Girão/g1 Tocantins
Entenda
Bolsonaristas radicais invadiram o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Palácio do Planalto, neste domingo (8), após entrar em confronto com a Polícia Militar na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.
LEIA TAMBÉM:
Bolsonaristas deixam acampamento montado na frente do quartel do Exército em Palmas
Governador reforça pontos estratégicos de Palmas e diz que vai mandar policiais para Brasília
Corregedor-geral diz que policiais civis do TO ‘devem manter a compostura’ e evitar apologia a crimes após ataque a Brasília
Os participantes de atos antidemocráticos estavam com pedaços de paus e pedras e depredaram os prédios dos três poderes da República até batalhões da polícia retomarem a Esplanada e a Praça dos Três Poderes em Brasília.
Durante a tarde o presidente Lula (PT) decretou intervenção federal na segurança do Distrito Federal. A intervenção está prevista para durar até o dia 31 de janeiro.
No Tocantins, depois de decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, para desmontar todos os acampamentos de bolsonaristas em 24h, as forças de segurança retiraram os que estavam desde novembro na frente do 22º Batalhão de Infantaria, em Palmas.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins