Livro de príncipe Harry chega às prateleiras do mundo inteiro após dias de controvérsia

0
34

Em publicação, ele faz revelações como ter matado cerca de 25 pessoas no Afeganistão e a alegação de haver sido agredido pelo irmão, o príncipe William, durante briga sobre Meghan Markle. Pessoas fazem fila diante de livraria em Londres, no Reino Unido, para comprar livro do príncipe Harry, em 10 de janeiro de 2023.
Peter Nicholls/ Reuters
Depois de dias de entrevistas na TV, vazamentos e um lançamento antecipado equivocado, o livro de memórias do príncipe Harry foi oficialmente colocado à venda nesta terça-feira (10).
No Reino Unido e em vários países europeus, leitores ansiosos já foram às livrarias para obter uma cópia com revelações íntimas sobre a família real britânica.
O livro de Harry, “Spare”, chamou a atenção em todo o mundo com suas revelações sobre suas lutas pessoais e suas acusações sobre outros membros da realeza, incluindo seu pai, o rei Charles III, a madrasta, a rainha consorte Camilla, e o irmão mais velho, o príncipe William.
Havia pilhas de cópias do livro em algumas lojas de Londres, e o livro de memórias atualmente é classificado como o mais vendido nos sites da Amazon no Reino Unido, EUA, Alemanha, Austrália e Canadá.
Extratos do livro vazaram na quinta-feira passada, quando sua edição em espanhol também foi colocada à venda por engano em algumas livrarias da Espanha. Entre as revelações, Harry fala:
De sua dor e crescimento após a morte de sua mãe, a princesa Diana, quando ele tinha apenas 12 anos;
Do uso de cocaína e outras drogas para sobreviver;
De como ele matou 25 combatentes do Talibã enquanto servia como soldado no Afeganistão;
E até mesmo de como ele perdeu a virgindade;
Ele também revela uma discussão acalorada com William, o herdeiro do trono, dizendo que seu irmão o derrubou e como os dois imploraram a seu pai para não se casar com Camilla, com quem ele se casou em 2005 e agora é a rainha consorte.
A família real não comentou o livro ou as entrevistas e é improvável que o faça.
“Sei que algumas das coisas que ele diz incomodaram pessoas diferentes”, disse Lai Jiang à agência de notícias Reuters depois de comprar uma cópia em Cingapura. “E eu sei, definitivamente, que há muitas pessoas que dizem que ele não deveria sair e dizer as coisas que diz, mas acredito que Harry deveria ter a chance de dizer o que quer dizer.”
Em entrevistas na TV antes do lançamento do livro, Harry voltou a fazer acusações de que alguns membros da realeza, incluindo Camilla e William, vazaram histórias para tabloides que prejudicaram a ele ou sua esposa Meghan, a fim de se protegerem ou melhorarem suas reputações.
“Acho que ela (sua mãe Diana) ficaria com o coração partido com o fato de William, seu escritório, fazer parte dessas histórias”, disse ele ao Good Morning America (GMA).
Em outra entrevista ao programa 60 minutos da CBS, ele disse que Camilla já havia sido uma “vilã” dos tabloides e precisava reabilitar sua imagem, que a tornava “perigosa”.
“Não a considero uma madrasta má. Vejo alguém que se casou nesta instituição e fez tudo o que pôde para, você sabe, melhorar sua reputação e sua própria imagem”, disse ele ao GMA.
“Spare”, publicado pela Penguin Random House, é a mais recente oferta reveladora de Harry e sua esposa Meghan Markle desde que deixaram os deveres reais em 2020 e se mudaram para a Califórnia para forjar uma nova vida, e segue seu documentário da Netflix no mês passado.
Embora as revelações de Harry tenham dominado as manchetes da mídia britânica na última semana, o interesse em suas revelações está longe de ser universal.
“Eu não estava planejando (ler o livro) como acontece, ou certamente não como uma prioridade inicial”, disse o ministro dos negócios Grant Shapps à Times Radio na terça-feira. “Eu tenho uma ou duas outras coisas para fazer.”

Fonte: G1 Entretenimento