Entenda os protestos políticos que deixaram quase 50 mortos no Peru

0
50

Confrontos entre manifestantes e forças de segurança deixaram 48 mortos no Peru. Protestos no Peru: Já passa de 40 o número de mortos
Confrontos entre manifestantes e forças de segurança deixaram 48 mortos no Peru até esta quinta-feira (12), de acordo com o jornal espanhol “Público”. O país passa por uma onda de violência.
Os manifestantes querem mudanças políticas e também que haja responsabilização pelas mortes até o momento.
Manifestação contra a presidente do Peru, Dina Boluarte, em 12 de janeiro de 2022
Angela Ponce/Reuters
LEIA TAMBÉM
Após mortes em protestos, presidente do Peru será investigada por genocídio
Em dia mais letal, 18 morrem em protestos contra o governo no Peru; recém-nascida está entre vítimas
O que causou os protestos?
As manifestações começaram depois que o Congresso derrubou o presidente Pedro Castillo, no dia 7 de dezembro. Castillo foi preso e condenado a uma pena inicial de 18 meses.
Ainda quando era presidente, ele era investigado em diversos processos. Castillo, então, tentou dissolver o Congresso. Sem apoio do exército, do Judiciário e do Legislativo, ele foi derrubado e preso horas depois.
A vice-presidente, Dina Boluarte, assumiu o cargo.
O que está motivando os protestos?
Os manifestantes querem a renúncia de Boluarte, o fechamento do Congresso, uma nova Constituição e a libertação de Castillo.
Também houve marchas que pedem o fim da agitação política.
Grupos de direitos humanos acusam as autoridades de usar armas de fogo contra os manifestantes e de usar helicópteros para jogar bombas de fumaça
O exército afirma que os manifestantes usaram armas e explosivos caseiros.
Em 10 de janeiro, a Procuradoria do Peru afirmou que começou a investigar Boluarte e pessoas do governo dela por “genocídio, homicídio qualificado e ferimentos sérios” relacionados à reação aos protestos.
O que está acontecendo nas manifestações?
Os manifestantes bloquearam rodovias, incendiaram prédios e invadiram aeroportos. Isso implicou prejuízos de milhões de dólares e perda de receitas. Os bloqueios interromperam o comércio, suspenderam voos e trouxeram problemas para os turistas.
As forças de segurança responderam com violência e acabaram atacando civis que não estavam protestando.
A Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou a violência tanto das forças de segurança quanto dos manifestantes e pediu diálogo. Os manifestantes até agora se recusaram a dialogar com Boluarte.
Onde os protestos acontecem?
Os protestos ocorreram em todo o país, mas no sul, que é mais pobre e, politicamente, mais de esquerda que o resto do país, tem sido o epicentro e o local da pior violência.
A região majoritariamente indígena esteve durante séculos em desacordo com a capital Lima, mais mestiça e mais branca, que por muito tempo dominou a política nacional. Castillo foi apenas o segundo presidente nascido fora de Lima a ser eleito desde 1956.
Embora a pobreza tenha diminuído nas últimas décadas, persiste uma lacuna nos padrões de vida entre a região e a capital. Apesar da riqueza local de cobre e gás no sul, indicadores como expectativa de vida e mortalidade infantil ficam atrás dos de Lima.
O sul do Peru também abriga destinos turísticos economicamente e culturalmente importantes, como Cusco e Puno.
Quem são os apoiadores de Castillo?
Castillo, um socialista, venceu eleições em 2021. O Peru já vivia anos de crises políticas e foi um dos países mais atingidos do mundo pela pandemia de Covid-19.
Castillo era um professor e sindicalista pouco conhecido de uma aldeia andina pobre, e não tinha experiência em cargos eletivos ou vínculos com o establishment de Lima.
Os partidários de Castillo tinham grandes esperanças de que ele pudesse representar mais os peruanos pobres, rurais e indígenas que enfrentaria as elites.
Uma vez no cargo, no entanto, seu apoio caiu. Ele enfrentou escândalos de corrupção, brigas partidárias e oposição no Congresso. Castillo lutou para governar, nomeando cinco primeiros-ministros e mais de 80 ministros durante sua curta presidência.
Ainda assim, Castillo manteve apoiadores, que o veem como uma vítima das elites políticas e de um Congresso amplamente impopular e considerado corrupto. O índice de aprovação de 27% de Castillo em uma pesquisa IPSOS de novembro ainda era superior aos 18% do Congresso.

Fonte: G1 Mundo