‘É assim que a loucura se parece’: Rússia intensifica ataques a Bakhmut

0
48

Tomada da cidade interromperia as linhas de abastecimento da Ucrânia e abriria uma rota para as forças russas avançarem em direção a Kramatorsk e Sloviansk, importantes redutos ucranianos em Donetsk. Um morador local empurra sua bicicleta passando por armadilhas e escombros, em uma rua em Bakhmut, região de Donetsk, em 6 de janeiro de 2023
Dimitar DILKOFF / AFP
Segundo as autoridades ucranianas, as forças russas estão intensificando seus ataques em torno da cidade já destruída de Bakhmut, aumentando o número de mortes e o nível da devastação da batalha de meses pelo controle do leste da Ucrânia, que faz parte da guerra mais ampla da Rússia.
“Está tudo completamente destruído. Quase não há mais vida”, disse Volodymyr Zelensky, presidente ucraniano, na segunda-feira (9) sobre a cena em torno de Bakhmut e da cidade vizinha de Soledar, na província de Donetsk, conhecida pela mineração e processamento de sal.
“Toda a terra perto de Soledar está coberta de cadáveres dos ocupantes e cicatrizes dos ataques. É assim que a loucura se parece”, afirmou Zelensky.
Na noite de terça-feira (10), o chefe do Grupo Wagner, organização paramilitar privada russa, Dmitry Prigozhin, afirmou em relatórios de áudio publicados nas redes sociais que suas forças haviam tomado o controle de Soledar, com batalhas continuando em um “caldeirão” no centro da cidade. As autoridades ucranianas não comentaram a alegação e a Associated Press não conseguiu verificá-la.
O ministério da Defesa do Reino Unido disse anteriormente que tropas russas ao lado de soldados do Grupo Wagner avançaram em Soledar e “provavelmente controlam a maior parte do assentamento”.
O ministério disse que tomar Soledar, 10 quilômetros ao norte de Bakhmut, provavelmente era o objetivo militar imediato de Moscou e parte de uma estratégia para cercar Bakhmut. Mas acrescentou que “as forças ucranianas mantêm linhas defensivas estáveis ​​em profundidade e controlam as rotas de abastecimento” na área.
Uma autoridade ocidental, falando sob condição de anonimato, disse que o Grupo Wagner “passou de um nicho secundário da guerra da Rússia para um componente importante do conflito”, acrescentando que suas forças agora representam até um quarto dos combatentes russos.
O Kremlin, cuja invasão de seu vizinho há 10 meses e meio sofreu numerosos reveses, está faminto por vitórias. A Rússia anexou ilegalmente Donetsk e três outras províncias ucranianas em setembro, mas suas tropas têm feito grandes esforços para avançar.
Depois que as forças ucranianas recapturaram a cidade de Kherson, no sul, em novembro, a batalha esquentou em torno de Bakhmut.
Hanna Malya, vice-ministra da Defesa da Ucrânia, disse que a Rússia lançou “um grande número de grupos de tempestade” na luta pela cidade.
“O inimigo está avançando literalmente sobre os corpos de seus próprios soldados e está usando massivamente artilharia, lançadores de foguetes e morteiros, atingindo suas próprias tropas”, afirmou Malya.
Pavlo Kyrylenko, governador da região de Donetsk nomeado por Kiev, descreveu na terça-feira os ataques russos a Soledar e Bakhmut como implacáveis.
“O exército russo está reduzindo as cidades ucranianas a escombros usando todos os tipos de armas em suas táticas de terra arrasada”, disse Kyrylenko em comentários televisionados.
“A Rússia está travando uma guerra sem regras, resultando em mortes e sofrimento de civis”, disse Kyrylenko.
Soldados feridos chegam 24 horas por dia para tratamento de emergência em um centro de estabilização médica ucraniano perto da linha de frente em Bakhmut. Os médicos lutaram por 30 minutos na segunda-feira para salvar um soldado, mas seus ferimentos eram muito graves.
Outro oficial sofreu um ferimento na cabeça depois que um fragmento perfurou seu capacete. Os médicos rapidamente o estabilizaram o suficiente para transferi-lo para um hospital militar.
“Lutamos até o fim para salvar uma vida”, disse Kostyantyn Vasylkevich, cirurgião e coordenador do centro, à Associated Press. “Claro, dói quando não é possível salvá-los.”
O líder das áreas ocupadas de Donetsk, apoiado por Moscou, Denis Pushilin, disse que o controle da TV estatal russa sobre a cidade criaria “boas perspectivas” para assumir Bakhmut, bem como Siversk, uma cidade mais ao norte onde as fortificações ucranianas “também são bastante sérias.”
Uma característica excepcional dos combates perto de Bakhmut é que parte deles ocorre em torno de entradas para túneis de minas de sal abandonadas que se estendem por cerca de 200 quilômetros, observou o relatório da inteligência britânica.
“Ambos os lados provavelmente estão preocupados que [os túneis] possam ser usados ​​para infiltração atrás de suas linhas”, pontua o documento.
Na Rússia, surgiram dois sinais na terça-feira de que as autoridades estavam lidando com as deficiências militares reveladas durante o conflito na Ucrânia.
Soldados ucranianos andam em um Humvee em Bakhmut, região de Donetsk, Ucrânia, quarta-feira, 21 de dezembro de 2022
AP Photo/Libkos
O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, cujo desempenho foi duramente criticado em alguns círculos do país, mas que manteve a confiança do presidente russo, Vladimir Putin, disse que seus militares usariam sua experiência na Ucrânia para melhorar o treinamento de combate.
Os sistemas militares de comunicação e controle serão aprimorados usando inteligência artificial, disse Shoigu, e as tropas receberão melhores equipamentos e aparatos táticos.
A segunda indicação de problemas envolve a produção russa de armas e outros suprimentos militares necessários para a luta na Ucrânia. O vice-chefe do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev, alertou que os funcionários que não cumprirem os prazos relacionados aos itens podem enfrentar acusações criminais.
Putin nomeou Medvedev no mês passado para chefiar uma nova comissão encarregada de tentar resolver os problemas de abastecimento dos militares. Numerosos relatórios sugeriram que a Rússia está ficando sem certas armas e estava enviando algumas tropas para a batalha com equipamentos e roupas insuficientes.
Parte do desafio do Kremlin é acompanhar as armas e suprimentos que os aliados ocidentais estão fornecendo à Ucrânia.
O sistema norte-americano de defesa antiaérea Patriot é uma das armas que a Ucrânia está prestes a receber, e o Pentágono anunciou na terça-feira que cerca de 100 soldados ucranianos irão para Fort Sill, em Oklahoma, na próxima semana para começar o treinamento. Isso ajudará a Ucrânia a se proteger contra ataques de mísseis russos. Os Estados Unidos prometeram uma bateria Patriot no mês passado, e a Alemanha prometeu um sistema adicional.
Também na terça-feira, Annalena Baerbock, ministra das Relações Exteriores da Alemanha, anunciou, enquanto visitava a segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv, que seu país forneceria 40 milhões de euros (223 milhões de reais) para ajudar na desminagem, infraestrutura de energia e conexões de internet.
Várias cidades da linha de frente nas províncias de Donetsk e Luhansk, no leste da Ucrânia, testemunharam combates intensos nos últimos meses. Juntas, as províncias formam o Donbass, uma ampla região industrial na fronteira com a Rússia que Putin identificou como foco desde o início da guerra e onde os separatistas apoiados por Moscou lutam desde 2014.
A ofensiva oriental da Rússia capturou quase toda Luhansk durante o verão. Donetsk escapou do mesmo destino, e os militares russos subsequentemente investiram mão de obra e recursos em torno de Bakhmut.
A tomada da cidade interromperia as linhas de abastecimento da Ucrânia e abriria uma rota para as forças russas avançarem em direção a Kramatorsk e Sloviansk, importantes redutos ucranianos em Donetsk.
Como Mariupol e outras cidades contestadas, Bakhmut suportou um longo cerco sem água e energia mesmo antes de Moscou lançar ataques maciços para desabilitar serviços públicos em toda a Ucrânia.
Pavlo Kyrylenko, o governador da região de Donetsk, estimou há mais de dois meses que 90% da população pré-guerra de mais de 70.000 habitantes de Bakhmut havia fugido desde que Moscou se concentrou em tomar todo o Donbass.
O gabinete presidencial da Ucrânia disse que pelo menos quatro civis foram mortos e outros 30 ficaram feridos em bombardeios da Rússia entre segunda e terça-feira. Vitaliy Kim, governador da região sul de Mykolaiv, disse que as forças russas bombardearam o porto de Ochakiv e a área ao redor em ambas as noites, ferindo 15 pessoas, incluindo uma criança de 2 anos, ficaram feridas.
Um soldado ucraniano passa por casas destruídas pelo bombardeio russo em Bakhmut, região de Donetsk, Ucrânia, quinta-feira, 10 de novembro de 2022
AP Photo/LIBKOS

Fonte: G1 Mundo