Delegado preso por suposto envolvimento em grupo de extermínio tem cargo renovado no Diário Oficial

0
48

Amaury Santos Marinho Junior teve a função renovada como delegado-Adjunto da 1º Delegacia de Polícia de Palmas. (1ª DP). SSP disse que irá reanalisar caso. Sede da Secretaria de Segurança Pública do Tocantins
Luiz de Castro/Dicom SSP-TO
Em uma publicação do Diário Oficial do estado desta quinta-feira (12), o governo renovou a função de 693 servidores da Secretaria de Segurança Pública (SSP) para cargos em diversos níveis. Entre os nomes, aparece o do delegado Amaury Santos Marinho Junior, que está preso desde agosto do ano passado por envolvimento em suposto grupo de extermínio.
Conforme o ato, os servidores, entre delegados, chefes e outras funções comissionadas, permanecem conforme a designação a partir do dia 1º de janeiro de 2023. Amaury teve a função renovada como delegado-Adjunto da 1º Delegacia de Polícia de Palmas. (1ª DP). No portal da transparência consta que o estado pagou R$ 19.790,58 referente ao mês de dezembro de 2022.
Questionada sobre a situação, a SSP informou que a publicação no Diário trata-se de uma renovação automática das funções ‘para não haver prejuízos aos serviços’. Sobre o nome do delegado aparecer, disse que o caso será ‘reanalisado’. A defesa do delegado disse que ele continua preso ‘sem motivo’ e que espera que o caso dele seja reavaliado pela Justiça em breve. (Veja a íntegra no fim da reportagem)
Salário do delegado Amaury Santos
Reprodução
Confira o Diário aqui.
O delegado Amaury Santos foi preso no dia em agosto de 2022, na segunda fase da Operação Caninana, que investiga o grupo apontado por ser responsável por cinco mortes em apenas um dia na região sul de Palmas.
LEIA TAMBÉM:
Delegados investigados por envolvimento em suposto grupo de extermínio são presos em nova operação policial
Promotoria denuncia dois delegados e cinco agentes de polícia investigados por suposto grupo de extermínio
STJ nega pedido de liberdade dos cinco policiais civis presos por suspeita de grupo de extermínio
Relembre
A promotoria denunciou dois delegados e cinco agentes de polícia por mortes que aconteceram no mesmo dia em Palmas, em 2020. Entre as execuções supostamente atribuídas ao grupo de extermínio, a denúncia cita as mortes de Geovane Silva Costa e Pedro Henrique Santos de Souza, que ocorreram em março de 2020 no Setor União Sul, em Palmas.
Mandados foram cumpridos na sede da Delegacia de Narcóticos
Reprodução
Para os promotores, os assassinatos teriam sido cometidas por motivo torpe e “na intenção dos agentes de promover uma ‘limpeza social’ em Palmas”, já que as vítimas eram pessoas com antecedentes criminais.
Outras três mortes que ocorreram no mesmo dia das anteriores, só que no Setor Aureny I, também são associadas aos denunciados. As vítimas são José Salviano Filho Rodrigues, Karita Ribeiro Viana e Swiany Crys Moreno dos Santos, que morreram nas mesmas condições.
A denúncia também cita que o delegado Amaury e agentes teriam atrapalhado a apuração de crimes que supostamente envolviam a organização criminosa quando descobriram que estavam sendo investigados, entre março e maio de 2022.
Veja o que diz a SSP
A Secretaria da Segurança Pública do Tocantins esclarece que a referida publicação no Diário Oficial do Estado, edição desta quinta-feira, 12, trata-se de uma renovação automática das funções para não haver prejuízos aos serviços prestados pela pasta. Quanto aos casos específicos questionados, os mesmos serão reanalisados.
Veja o que diz a defesa do delegado
Infelizmente, sem qualquer motivo que pudesse avalizar este ato, o Delegado Amaury Santos Marinho Junior, ainda continua detido. Mantemos a esperança que, em breve, o Poder Judiciário, analisando de forma mais acurada as provas dos autos, entenda pelo decreto de soltura de meu cliente.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins