China: quase 90% da população da província de Henan já teve covid, dizem autoridades

0
43

País enfrenta aumento no número de casos de infecções por coronavírus depois de encerrar anos de confinamentos, quarentenas e testes em massa. Quase 90% da população da terceira província mais populosa da China foi infectada com a covid-19 — disse uma autoridade de alto escalão nesta segunda-feira (9), no momento em que o país enfrenta um forte surto de casos
AFP – JUNG YEON-JE
Quase 90% da população da província de Henan, a terceira mais populosa da China, foi infectada com a covid-19, disse Kan Quancheng, diretor da Comissão de Saúde da região, nesta segunda-feira (9), em uma entrevista coletiva. Segundo ele, no dia 6 de janeiro de 2023, a taxa de contágio na província de 99,4 milhões de pessoas era de 89%. Dados sugerem que 88,5 milhões teriam sido infectadas pelo SARS-CoV-2.  
Segundo Kan, as visitas às clínicas atingiram seu pico em 19 de dezembro e, desde então, a tendência é de queda. A China enfrenta um aumento no número de casos depois de encerrar anos de confinamentos, quarentenas e testes em massa. As medidas, que ficaram em vigor até dezembro, atingiram a economia e provocaram protestos.
Neste domingo (8), Pequim suspendeu a quarentena obrigatória para viajantes que chegam do exterior e reabriu sua fronteira com Hong Kong. O temor é que o número de casos aumente com a chegada do Ano Novo Lunar na China, celebrado no final de janeiro. O feriado provoca o deslocamento de milhões de pessoas, que visitam seus familiares no interior.
Os números oficiais indicam que 34,7 milhões de pessoas já se deslocaram internamente, um terço a mais do que no ano passado, segundo a imprensa estatal. De acordo com dados oficiais, na semana passada, apenas 120.000 pessoas foram infectadas, e 30 morreram, desde que as restrições foram levantadas.
Pequim modificou os critérios para definir a morte por covid-19 e pôs fim aos testes obrigatórios, para manipular as estatísticas e esconder a gravidade do surto.
China suspende quarentenas para viajantes
Mas, apesar da grave situação epidêmica, a China suspendeu neste domingo(8) as quarentenas obrigatórias para viajantes internacionais que chegam ao seu território, encerrando quase três anos de isolamento.
No aeroporto de Pequim, as barreiras que costumavam separar as chegadas internacionais e domésticas foram retiradas, assim como as equipes médicas em trajes especiais. No território semiautônomo de Hong Kong, no sul da China, as medidas também foram relaxadas na fronteira, quase fechada desde 2020.
Desde março de 2020, as pessoas que entravam no país eram obrigadas a se isolar em instalações do governo, inicialmente por um período de três semanas, reduzido para cinco dias em novembro. 
O esperado retorno de visitantes levou muitos países a impor testes obrigatórios de covid-19 para procedentes da China, que enfrenta seu pior surto. 
A China disse que as restrições impostas pelos Estados Unidos, Japão ou países da União Europeia (UE) são “inaceitáveis”. No entanto, exige testes de covid aos passageiros que chegam e continua a bloquear muitos turistas e estudantes internacionais.
A UE pediu nesta semana a seus Estados-membros que imponham uma triagem realizada na China, antes do voo. Também incentivou os 27 países do bloco a realizarem “testes aleatórios” na chegada ao solo europeu.

Fonte: G1 Mundo